Open House Porto 2019

A Fundação Serra Henriques é o parceiro institucional do Open House Porto organizado pela CASA DA ARQUITECTURA em colaboração com os municípios do Porto, Gaia e Matosinhos. Trata-se de uma das mais expressivas realizações culturais daquela área metropolitana. Fundado em Londres por Victoria Thornton, o Open House acontece um pouco por todo o mundo, marcando presença em cidades como Barcelona, Nova Iorque, Roma ou Buenos Aires.


A ideia é simples: durante um fim-de-semana abrir gratuitamente centenas de espaços pela cidades - edifícios de diferentes épocas e tipologias - através de programas de visitas guiadas e dos chamados passeios de bairro. Deste modo o público tem a oportunidade de descobrir espaços clássicos ou património cultural que normalmente está vedado a visitas.

Depois do enorme sucesso das três primeiras edições, com 11 000 visitas realizadas em 2015, 30 000 em 2016 e 25 000 no ano passado, a quarta edição do Open House Porto já tem data marcada.

Nos dias 30 de junho e 1 de julho, um vasto conjunto de espaços do Porto, Gaia e Matosinhos vão abrir as suas portas, mostrando a excelência do património arquitetónico das três cidades. Para esta edição está prevista uma consolidação do roteiro com 65 espaços, mais 5 do que na edição anterior. 70 por cento dos espaços são inéditos nesta edição, apenas 30 por cento se repetem de edições anteriores.

Organizada e produzida em exclusivo pela CASA DA ARQUITECTURA (CA) - Centro Português de Arquitectura, a edição 2018 do Open House é comissariada pelos arquitetos Inês Moreira e João Paulo Rapagão, cujo roteiro "oferece uma oportunidade única para se descobrir e usufruir de locais singulares, novos ou antigos, prostrados no tempo, recuperados ou reconstruídos".

Contando com a parceria estratégica das Câmaras Municipais do Porto, Gaia e Matosinhos, o Open House Porto pretende continuar a afirmar-se como um dos momentos culturais mais significativos do ano. Para que cada edição possa ser original e irrepetível, o foco curatorial desta edição "centra-se em arquiteturas de utilização industrial e naquelas de sustentação das suas atividades", "numa demonstração clara de que as cidades que herdámos souberam assimilar e conciliar a indústria com os diversos usos que as estimulam e mobilizam", referem os comissários.

www.openhouseporto.com