Cerimónia do Prémio Ibérico de Nova Arquitectura Tradicional Rafael Manzano

A Real Academia de Belas Artes em Madrid foi o palco da cerimónia de entrega do Prémio Rafael Manzano 2018, instituído em Portugal pela Fundação Serra Henriques, e com o Alto Patrocínio do Presidente da República. A última edição distinguiu a obra de Juan de Dios de la Hoz graças ao domínio das formas e técnicas tradicionais que demonstrou em muitas das suas intervenções no património.

Nascido em Madrid em 1963, Juan de Dios de la Hoz licenciou‑se na Escola de Arquitectura de Madrid em 1988 e, em 1996, obteve um mestrado em Restauro e Reabilitação do Património pela Universidade de Valladolid e pela Universidade de Alcalá de Henares. De 2003 a 2013, foi professor na Escola de Arquitectura da Universidade Camilo José Cela, em Madrid, onde ensinou Restauro e Reabilitação. Foi também conferencista em vários congressos, seminários e sessões relacionadas com a recuperação do património, em várias universidades de Espanha e de outros países, bem como docente em cursos sobre materiais de construção e técnicas tradicionais e sua utilização no restauro de monumentos.

O Prémio Rafael Manzano é organizado pela delegação espanhola da INTBAU (Rede Internacional para a Arquitectura Tradicional) e pela Fundação Serra Henriques, para distinguir a obra daqueles que mais contribuem para a reabilitação de edifícios e de conjuntos urbanos de valor histórico e artístico ou construção nova com a utilização de materiais e ofícios tradicionais.

Trata-se do maior prémio de arquitectura da península ibérica com o valor monetário de 50.000 euros, graças à generosidade da Fundação Richard H. Driehaus.